A 4ª Revolução Industrial e o Propósito Transformador Massivo (PTM)

  • Marcos Cesar Moratori Filho
  • Munique Afonso Pastri
  • Paulo Henrique Machado Macieira
  • Rose Mary Vaz Correia Faculdade de Tecnologia de Barueri "Padre Danilo José de Oliveira Ohl"
Palavras-chave: Reolução Industrial, Revolução 4.0, Organizações Exponenciais, Propósito Transformador Massivo (PTM)

Resumo

As organizações são entendidas como instrumentos utilizados pelo homem para desenvolver determinadas tarefas que não seriam possíveis de serem realizadas através de um indivíduo em particular, ou seja, elas permitem a combinação de esforços individuais para realizar propósitos coletivos. A Revolução Industrial fez com que as  organizações se estruturassem, a partir da divisão do trabalho, em modelos tradicionais ou lineares, ou seja, pessoas segmentadas em uma estrutura que agrupava as expertises em departamentos funcionais. Com o advento da Revolução 4.0 ou Indústria 4.0, que privilegia a transformação digital dos negócios, surgiu a necessidade de um novo modelo: o exponencial. O artigo discorre sobre a Revolução Industrial em suas quatro ondas, sobre os modelos tradicionais, denominadas lineares, e sobre o modelo exponencial, principalmente do PTM (Propósito Massivo Transformador) e traz insights sobre a transição de um modelo para o outro. Além disso, busca demonstrar se as empresas com modelos tradicionais possuem performance inferior ou superior às exponenciais.

Referências

AMANTEA, R. Organizações ambidestras. Revista GV Executivo, V. 17, n. 5, p. 43-46, Set./Out. 2018.

BLUEDORN, A. C. Primary rhythms, information processing and planning: toward a strategic temporal technology. Technology Studies, 4, p. 1-36, 1997.

BRAVERMAN, H. Trabalho e capital monopolista: a degradação do trabalho no século XX. Rio de Janeiro: Zahar, 1987.

COOK, S., SELLTIZ, C. A multiple–indicator approach to attitude measurement. Psychological Bulletin, V. 62, 1964.

EMPRESA X. História. Disponível em: <https://www.empresax.com.br/empresa#historia>. Acesso em 18 nov. 2019.

EMPRESA Y. Quem somos. Disponível em: <https://ri.empresay.com.br/ShowCanal/Quem-Somos>. Acesso em 18 nov. 2019.

EXAME. Resultados econômico-financeiros, Empresa Y. Disponível em: < https://exame.abril.com.br/?s=empresa+y>. Acesso em 18 nov. 2019a.

_______. Resultados econômico-financeiros, Empresa X. Disponível em: < https://exame.abril.com.br/?s=empresa+x>. Acesso em 18 nov. 2019b.

FAYOL, H. Administração Industrial e Geral. São Paulo: Atlas, 1994.

FRIEDMANN, G., NAVILLE, P. (Org.). Tratado de sociologia do trabalho. São Paulo: Cultrix, EDUSP, V. I e II, 1973.

GIDDENS, A. Sociologia. Porto Alegre: Artmed, 2005.

GOLEMAN, D. et al. Best of HBR on Emotionally Intelligent Leadership. Boston: Harvard Business School Publishing, 2nd Edition, p. 1-65, 2008.

INFESTAS GIL, A. Sociología de la empresa. Salamanca: Amaru, 2001.

ISMAIL, S., MALONE, M. S., GEEST, Y. van. Organizações Exponenciais: por que elas são 10 vezes melhores, mais rápidas e mais baratas que a sua (o que fazer a respeito). São Paulo: HSM Editora, 2015.

KANE, G. C., PALMER, D., PHILIPS, A. N., KIRON, D., BUCKLEY, N. Strategy, not technology, drives digital transformation: Becoming a Digitally Mature Enterprise. MIT Sloan Management Review. July 14, 2015.

KORTEN, D. C. Quando as corporações regem o mundo. São Paulo: Futura, 1996.

LITTERER, J. A. Organizations: Structure and Behaviour. New York and London: John Wiley, 1963.

MAGALDI, S. SALIBI NETO, J. Gestão do amanhã: tudo o que você precisa saber sobre gestão, inovação e liderança para vencer na 4ª revolução industrial. São Paulo: Editora Gente, 2018.

MAINTZ, R. Sociología de la organización. Madrid: Alianza Universidad, 1984.

MAXIMINIANO, A. C. A. Introdução à Administração. São Paulo: Atlas, 2011.

MEDEIROS, P. R. Cultura Organizacional. Um estudo sobre o Banco Itaú (1943 a 2008) e o Banco Itaú Unibanco (a partir de 2009). 2013. 649f. Tese de Doutorado (Ciências Sociais). Faculdade de Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), São Paulo, 2013.

MEGGINSON, L. C., MOSLEY, D. C., PIETRI JR., P. H. Administração: conceitos e aplicações. São Paulo: Harbra, 1998.

RODRIGUEZ, M. V., GURGEL, C. Administração: Elementos Essenciais para a Gestão das Organizações. São Paulo: Atlas, 2013.

SCHWAB, K. A Quarta Revolução Industrial. São Paulo: Edipro, 2016.

SELLERS, P. Who cares about shareholders? Fortune, p. 122, 1992.

SELIGMAN, M. E. P. Authentic happiness: Using the new Positive Psychology to realize your potential for lasting fulfillment. London: Nicholas Brealey Publishing, 2002.

SHELDRADE, J. Management theory. London: International Thomson Business Press, p. 10, 1996.

SMITH, A. A riqueza das nações. São Paulo: Nova Fronteira, 2009.

UBER. A história da Uber. Disponível em: <https://www.uber.com/pt-BR/newsroom/history/>. Acesso em: 19 nov. 2019.

VALOR. Varejo aponta força do consumo para 4º trimestre. Disponível em: <https://valor.globo.com/brasil/noticia/2019/11/14/varejo-aponta-forca-do-consumo-para-4o-trimestre.ghtml>. Acesso em 18 nov. 2019.

VASCONCELOS, E., HEMSLEY, J. R. Estrutura das Organizações. São Paulo: Pioneira, 2002.

VERGARA, S. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 2014.

WEBER, M. Economía y sociedad. Esbozo de sociología comprensiva. (Trad.) ECHAVARRÍA, J. M., PARELLA, J. R., IMAZ, E., MÁYNEZM E. G., MORA, J. F. Ciudad de México: FCE, 2008.

Publicado
2021-12-13
Seção
Artigos